Sharing by Isabel dos Santos

PT EN
by Isabel dos Santos

Ser empreendedor em África

Empreendedorismo

O empreendedorismo em África está cada vez mais vibrante. Ontem nem sequer conhecíamos os rostos e os nomes dos empreendedores africanos. Hoje são caras familiares, reconhecidas em todo o mundo e tornaram-se num modelo a seguir. Acredito que o sucesso cria sucesso e muitos mais africanos acabarão por se juntar a esta grande família.

África tem a maior proporção mundial de adultos a começar ou a gerir novas empresas. Os nossos empresários estão também entre os mais jovens, comparando com outras regiões em desenvolvimento. E as mulheres africanas são as que mais desenvolvem negócios, mesmo olhando para as mulheres nos países industrializados, de acordo com o inquérito do Global Entrepreneurship Monitor. Estes sinais são bastante encorajadores e revelam a força dos africanos e a sua enorme vontade de fazer, construir e acrescentar valor. 

Graças também à inovação e à tecnologia, o empreendedorismo está a alcançar um novo patamar. Hoje há toda uma nova geração de “empreendedores high-tech” que incorporam as novas tecnologias em produtos inovadores, em serviços financeiros, meios de pagamentos e até na agricultura. A tecnologia faz parte do seu ADN e é com toda a naturalidade que a trazem para o mundo dos negócios.

Também os empreendedores na diáspora acabam por dar um impulso precioso a este movimento transformador. Muitos regressam aos seus países de origem, para criar novas empresas ou investir em start-ups. Trazem com eles uma verdadeira cultura de empreendedorismo, que é contagiante.  Conhecem bem os mercados internacionais e como tal estimulam uma visão global dos negócios.

O empreendedorismo em África prepara-se para ganhar uma nova dimensão graças também a uma nova geração de jovens africanos cada vez mais qualificados. Todos os anos 29 milhões de jovens vão entrar no mercado de trabalho em África até 2030, estima a OCDE. Por isso, é tão importante promover uma cultura de empreendedorismo nos nossos países e cuidar deste imenso potencial que está a emergir. Para que os jovens empreendedores sejam uma peça bem afinada do motor de transformação de um continente inteiro.